... y no se lo tragó la tierra



Todo o conhecimento que os humanos acumularam ao longo dos séculos sobre ... y no se lo tragó la tierra está agora disponível na Internet, e compilámo-lo e organizámo-lo para si da forma mais acessível possível. Queremos que possa aceder a tudo sobre ... y no se lo tragó la tierra que queira saber de forma rápida e eficiente; que a sua experiência seja agradável e que sinta que encontrou realmente a informação sobre ... y no se lo tragó la tierra que procurava.

Para atingir os nossos objectivos, fizemos um esforço não só para obter a informação mais actualizada, compreensível e verdadeira sobre ... y no se lo tragó la tierra, mas também nos certificámos de que o design, a legibilidade, a velocidade de carregamento e a usabilidade da página são tão agradáveis quanto possível, para que possa concentrar-se no essencial, conhecendo todos os dados e informações disponíveis sobre ... y no se lo tragó la tierra, sem ter de se preocupar com mais nada, já tratámos disso para si. Esperamos ter alcançado o nosso objectivo e que tenha encontrado a informação que pretendia sobre ... y no se lo tragó la tierra. Assim, damos-lhe as boas-vindas e encorajamo-lo a continuar a desfrutar da experiência de utilização de scientiapt.com .

... y no se lo tragó la tierra é oromance de Tomás Rivera de 1971, mais recentemente traduzido para o inglês como ... E a terra não o devorou . É composto por quatorze contos e treze vinhetas. O romance apresenta histórias que giram em torno de uma comunidade de trabalhadores agrícolas mexicanos-americanos do sul do Texasdurante o final dos anos 1940 e o início dos anos 1950. O romance começa com o conto "Um ano perdido", no qual um protagonista masculino não identificado parece não conseguir se lembrar do que aconteceu no ano anterior. As histórias e vinhetas que se seguem são fragmentadas, carecem de cronologia e carecem de consistência nos personagens. O último conto, "Under the House", une todas essas histórias, apresentando-as como as memórias do protagonista masculino, que parece ser fortalecido pelo ato de lembrar. O romance ganhou o Prêmio Quinto Sol de literatura em 1970 e desde então foi adaptado para o cinema.

Fundo

Antecedentes e publicação

Rivera disse que teve problemas para publicar seus trabalhos no início e disse que alguns de seus manuscritos provavelmente foram rejeitados porque ele era chicano . Rivera enviou manuscritos para todos os lugares e disse ter recebido "milhares" de rejeições antes de ganhar o prêmio Quinto Sol e publicar seu romance no ano seguinte.

Edições

Rivera, Tomás (1971) ... y no se lo tragó la tierra /...And the Earth Did Not Part. Trans por Herminio Rios, Berkeley: Quinto Sol.

Rivera, Tomás (1977) ... y no se lo tragó la tierra /...And the Earth Did Not Part. Trans por Herminio Rios, Berkeley: Justa Publications.

Rivera, Tomás (1987) ... y no se lo tragó la tierra / ... E a terra não o devorou (edição em inglês e espanhol). Traduzido por Evangelina Vigil-Piñón. Houston: Arte Publico Press.

Rivera, Tomás (1992) ... y no se lo tragó la tierra / ... E a terra não o devorou (edição em inglês e espanhol). Traduzido por Evangelina Vigil-Piñón. Houston: Arte Publico Press.

Rivera, Tomás (2012) ... y no se lo tragó la tierra . Edição e introdução de Julio Ramos e Gustavo Buenrostro, Buenos Aires: Ediciones Corregidor.

Temas principais

Mudança social

Muitos dos contos do romance de Rivera revelam as condições angustiantes que os trabalhadores migrantes mexicanos-americanos enfrentaram e, portanto, podem ser vistos como um trabalho que clama por mudanças sociais para proporcionar melhores condições de trabalho aos trabalhadores migrantes mexicanos-americanos. No conto "As Crianças Não Poderiam Esperar", por exemplo, um menino trabalhador migrante é morto a tiros pelo patrão por fazer o que o patrão pensava serem pausas demais para beber água. Além disso, em "The Little Burnt Victims", dois filhos pequenos de trabalhadores migrantes morrem queimados em um incêndio acidental quando são deixados sozinhos em sua casa. Os pais foram desencorajados de trazer seus filhos para os campos com eles e, portanto, foram forçados a deixá-los sozinhos em casa. Desta forma, os problemas com as condições de trabalho dos trabalhadores migrantes ficam claros em muitas das histórias. Além disso, em "É que dói", destaca-se a dificuldade de se conseguir uma educação de qualidade para os filhos dos trabalhadores agrícolas migrantes. Na história, um menino tem problemas por bater em outro aluno e sabe que será expulso. Os outros meninos da escola o chamam de "Mex" e zombam dele, e o diretor justifica a expulsão dele dizendo: "... eles não ligam se eu o expulso ... eles precisam dele no campo". O racismo que o menino enfrenta na escola - tanto de crianças quanto de adultos - dificulta sua capacidade de obter uma educação de qualidade. As histórias, portanto, expõem condições terríveis para os trabalhadores migrantes mexicanos-americanos e podem ser vistas como um trabalho que exige que mudanças estruturais ocorram.

Desilusão com o catolicismo folclórico mexicano-americano

Em muitos contos do romance, o jovem protagonista masculino fica desiludido com aspectos do catolicismo popular. Em "Uma Noite Prateada", por exemplo, o menino decide que vai chamar o diabo tarde da noite, mas o diabo nunca aparece, mesmo depois que o menino o amaldiçoa. Ele, portanto, percebe que não existe demônio. Da mesma forma, no conto "... E a Terra Não o Devorou", o menino - zangado porque seus parentes próximos estão sofrendo, embora sejam pessoas boas - amaldiçoa Deus, mas nada acontece com ele como consequência. Na verdade, no dia seguinte, seu pai e seu irmão estão se recuperando da doença e o tempo está menos difícil para o trabalho. Os desenvolvimentos nesses dois contos e em outros, também, apontam para um tema geral no romance de uma sensação de desilusão com a religião. O protagonista parece abraçar o pensamento racionalista e individualista.

Edifício comunitário

No entanto, em um capítulo de seu livro Dançando com o Diabo , José E. Limón argumenta que o romance não celebra de fato o pensamento individualista racionalista do protagonista, e sim o associa ao diabo. Limón afirma que, para que o menino do romance abrace a racionalidade, ele deve menosprezar e retratar o catolicismo folclórico de sua cultura mexicana-americana. O menino, portanto, pode ser retratado como o demônio "real" da história. Na verdade, Limón lembra que em "Silvery Night", o menino na verdade coloca uma máscara do demônio, e que na história "... E a Terra Não o Devorou", a mãe diz que tem medo de que o sangue do demônio já passa pelo menino. Limón, portanto, sugere que o romance defende a importância de uma identidade comunal ao invés de individualista. Este argumento é apoiado pelo fato de que o romance reúne uma miríade de vozes da comunidade de trabalhadores migrantes mexicanos-americanos por meio da lembrança e recontagem do protagonista masculino das histórias, e pelo fato de que no último conto o menino afirma que, " Eu gostaria de ver todas as pessoas juntas. E então, se eu tivesse grandes braços, eu poderia abraçar todas elas. "

Edição latino-americana

Julio Ramos e Gustavo Buenrostro editaram a primeira edição latino-americana do romance de Tomás Rivera ... y no se lo tragó la tierra (1971). A edição de Ramos e Buenrostro de Tierra inaugurou uma coleção de literatura mexicana na Argentina. Em sua extensa introdução, Ramos e Buenrostro argumentam que a notável ficcionalização da memória de Rivera resiste à tendência de estetizar e heroizar a figura do trabalhador rural; que foi uma prática comum do realismo social durante as décadas de 1930 e 1940. Em sua introdução, Ramos e Buenrostro cunham a noção de "lenguas sin estado (línguas sem estado)". Também estabelecem uma conexão entre Tomás Rivera, Juan Rulfo , Octavio Paz e outras literaturas da Fronteira. Além disso, a edição latino-americana do Tierra inclui numerosos materiais não publicados que mostram a relação entre Rivera e os editores da editora fundadora Quinto Sol . Esses materiais também ilustram a gênese do romance.

Referências

Opiniones de nuestros usuarios

Adriano De Lourdes

Às vezes, quando você procura informações na internet sobre algo, encontra artigos muito longos que insistem em falar sobre coisas que não lhe interessam. Gostei deste artigo sobre ... y no se lo tragó la tierra porque vai direto ao ponto e fala exatamente sobre o que eu quero, sem se perder em informações Inútil.

Luiz De Farias

Este artigo sobre ... y no se lo tragó la tierra me chamou a atenção, acho curioso como as palavras são bem medidas, é tipo... elegante.

Gilson De Araujo

Esta entrada sobre ... y no se lo tragó la tierra era exatamente o que eu queria encontrar.