Ku Klux Klan

Ku Klux Klan
Ku Klux KlanSímbolo
Ku Klux KlanBandeira
Existência
1º Klan 1865–1872
2º Klan 1915–1944
3º Klan 1946/1950–presente
Membros
1º Klan Desconhecido
2º Klan 3 000 000–6 000 000 (pico no período de 1920–1925)
3º Klan 5 000–8 000
Características
Origem Pulaski,Tennessee, Estados Unidos (1º Klan)
Stone Mountain, Geórgia, Estados Unidos (2º e 3º Klans)
Ideologias Depois de 1915: Depois de 1950:
Posição política Extrema-direita

Ku Klux Klan (também conhecida como KKK ou simplesmente "o Klan") é o nome de três movimentos distintos dos Estados Unidos, passados e atuais, que defendem correntes reacionárias e extremistas, tais como a supremacia branca, o nacionalismo branco, a anti-imigração e, especialmente em iterações posteriores, o nordicismo, o anticatolicismo e o antissemitismo, historicamente expressos através do terrorismo voltado a grupos ou indivíduos aos quais eles se opõem. Todos os três movimentos têm clamado pela "purificação" da sociedade estadunidense e todos são considerados organizações de extrema-direita.

O primeiro Klan surgiu no sul dos Estados Unidos no final dos anos 1860 e deixou de existir no início da década de 1870. Ele tentou derrubar os governos estaduais republicanos no sul durante a Era da Reconstrução, especialmente através do uso da violência contra líderes afro-americanos. Com inúmeros ataques em todo o sul, o grupo foi suprimido por volta de 1871, através da aplicação da lei federal. Seus membros faziam seus próprios trajes, muitas vezes coloridos: roupões, máscaras e chapéus cônicos, projetados para serem aterrorizantes e para esconder suas identidades.

O segundo grupo foi fundado em 1915 e começou a atuar em todo o país em meados da década de 1920, especialmente nas áreas urbanas do Centro-Oeste e Oeste. Ele se opunha aos católicos e judeus, especialmente os imigrantes mais recentes, sendo que ressaltava sua profunda oposição à Igreja Católica. Esta segunda organização adotou um traje branco padrão e usava palavras de código semelhantes como as do primeiro Klan, além de ter adicionado os rituais de queima de cruzes e de desfiles em massa.

A terceira e atual manifestação da KKK surgiu depois de 1950, sob a forma de grupos pequenos, locais e desconexos que fazem uso do nome KKK. Eles se concentraram na oposição ao movimento dos direitos civis, muitas vezes usando violência e assassinatos para reprimir ativistas. É classificado como um grupo de ódio pela Liga Antidifamação e pelo Southern Poverty Law Center. Estima-se ter entre 5 000 e 8 000 membros em 2012. A segunda e a terceira encarnações do Ku Klux Klan faziam referências frequentes ao sangue "anglo-saxão" dos Estados Unidos, que remete ao nativismo do século XIX. Embora os membros da KKK jurem defender a moralidade cristã, praticamente todas as denominações cristãs oficialmente denunciaram as práticas e ideologias da KKK.

História

A primeira Klan

Representação da Ku Klux Klan na Carolina do Norte em 1870, baseada em uma fotografia tirada sob a supervisão de um oficial federal que apreendeu fantasias da Klan

A primeira Ku Klux Klan foi fundada em Pulaski, Tennessee, em 24 de dezembro de 1865, por seis ex-oficiais do exército confederado: Frank McCord, Richard Reed, John Lester, John Kennedy, J. Calvin Jones e James Crowe. Começou como uma sociedade fraternal inspirada, pelo menos em parte, pelas então em grande parte extintas Filhas de Malta. A Klan pegou emprestado partes da cerimônia de iniciação desse grupo, com o mesmo propósito: "iniciações ridículas, a confusão da curiosidade pública e a diversão dos membros eram os únicos objetivos da Klan", segundo Albert Stevens em 1907. O manual de rituais foi impresso por Laps D. McCord de Pulaski. As origens do capuz são incertas; pode ter sido apropriado do capuz espanhol capirote ou pode ser rastreado até o uniforme das celebrações do Mardi Gras no Sul.

De acordo com a Cyclopædia of Fraternities (1907), "A partir de abril de 1867, houve uma transformação gradual. Os membros haviam conjurado um verdadeiro Frankenstein. Eles haviam brincado com uma máquina de poder e mistério, embora organizada em linhas inteiramente inocentes, e se encontraram superadas pela crença de que algo deve haver algo por trás de tudo isso - que, afinal, havia um propósito sério, um trabalho para a Klan fazer." O general confederado Nathan Bedford Forrest foi eleito o primeiro Grande Mago da Klan e afirmou ser o líder da organização em todos os Estados Unidos. Ele afirmou que seus principais inimigos eram os republicanos, ativistas negros e brancos, e políticos nortenhos (chamados de "carpetbaggers" e "scalawags") que iam para o sul para tirar vantagem politicamente do caos pós-guerra.

A KKK não tinha estrutura organizacional acima do nível de "capítulo" ("chapter", ou seções). No entanto, havia grupos semelhantes em todo o Sul que adotavam objetivos semelhantes. Os capítulos da Klan promoviam a supremacia branca e se espalhavam por todo o Sul como um movimento insurgente em resistência à Reconstrução. O veterano confederado John W. Morton fundou um capítulo da KKK em Nashville, Tennessee. Como grupo secreto de vigilantes, a Klan visava libertos e seus aliados; o grupo buscava restaurar a supremacia branca por meio de ameaças e violência, incluindo assassinato. "Eles tinham como alvo líderes brancos do Norte, simpatizantes do Sul e negros politicamente ativos." Em 1870 e 1871, o governo federal aprovou as Leis de Execução, destinadas a processar e suprimir crimes da Klan.

A primeira Klan obteve resultados mistos em termos de alcançar seus objetivos. A organização enfraqueceu seriamente a liderança política negra por meio de assassinatos e ameaças de violência, e afastou algumas pessoas da política. Por outro lado, causou uma forte reação, com a aprovação de leis federais que, segundo o historiador Eric Foner, foram bem-sucedidas em termos de "restaurar a ordem, reavivar o moral das republicanas do Sul e permitir que os negros exercessem seus direitos como cidadãos". O historiador George C. Rable argumenta que a Klan foi um fracasso político e, portanto, foi descartada pelas líderes do Partido Democrata do Sul. Ele diz:

A Klan declinou em força em parte devido a fraquezas internas; sua falta de organização central e a incapacidade de seus líderes de controlar elementos criminosos e sádicos. Mais fundamentalmente, declinou porque não conseguiu alcançar seu objetivo central - a derrubada dos governos estaduais republicanos no Sul.

Depois que a Klan foi suprimida, surgiram grupos paramilitares insurgentes semelhantes que foram explicitamente direcionados para suprimir a votação republicana e tirar os republicanos do cargo: a Liga Branca, que começou na Louisiana em 1874; e os Camisas Vermelhas, que começaram no Mississippi e desenvolveram capítulos nas Carolinas. Por exemplo, os Camisas Vermelhas são creditadas por ajudar a eleger Wade Hampton como governador na Carolina do Sul. Eles foram descritas como atuando como o braço militar do Partido Democrata e são atribuídos por ajudar os democratas brancos a reganhar o controle das legislaturas estaduais em todo o Sul.

A segunda Klan

Uma reunião da KKK em Chicago, na década de 1920 (período considerado auge da Klan).

Em 1915, a segunda Klan foi fundada no topo do Stone Mountain, Geórgia, por William Joseph Simmons. Enquanto Simmons se baseava em documentos da Klan original e nas memórias de alguns anciões sobreviventes, a Klan revivida era baseada significativamente no filme extremamente popular O Nascimento de uma Nação. A Klan anterior não usava os trajes brancos e não queimava cruzes; esses aspectos foram introduzidos no livro de Thomas Dixon, The Clansman: A Historical Romance of the Ku Klux Klan, no qual o filme foi baseado. Quando o filme foi exibido em Atlanta em dezembro daquele ano, Simmons e seus novos membros da Klan desfilaram até o teatro em túnicas e capuzes pontiagudos - muitos em cavalos com túnicas -, assim como no filme. Esses desfiles em massa se tornaram outra marca registrada da nova Klan que não existia na organização original da era da Reconstrução.

A partir de 1921, a Klan adotou um sistema de negócios moderno usando recrutadores remunerados em tempo integral e atraiu novos membros como uma organização fraternal, de que muitos exemplos estavam florescendo na época. A sede nacional lucrava com o monopólio das vendas de trajes, enquanto os organizadores eram pagos por meio de taxas de iniciação. A organização cresceu rapidamente em todo o país em um período de prosperidade. Refletindo as tensões sociais entre a os Estados Unidos urbano e rural, a Klan se espalhou por todos os estados e era proeminente em muitas cidades.

Marcha de integrantes da KKK em Washington, DC em 1928.

O escritor W. J. Cash, em seu livro de 1941, A Mente do Sul, caracterizou a segunda Klan como "anti-Negro, anti-Estrangeiro, anti-Comunista, anti-Católico, anti-Judeu, anti-Darwinista, anti-Moderno, anti-Liberal, fundamentalista, imensamente Moral, militantemente protestante. E resumindo esses medos, a KKK os trouxe à tona com a tradição do passado e, acima de tudo, com o antigo padrão sulista de alta histrionia romântica, violência e coerção em massa do bode expiatório e do herege." A klan pregava o "Americanismo a Cem Por Cento" e exigia a purificação da política, pedindo moralidade estrita e melhor aplicação da Proibição. Sua retórica oficial focava na ameaça da Igreja Católica, usando o anticatolicismo e o nativismo. Seu apelo era dirigido exclusivamente aos protestantes brancos; o grupo se opunha a judeus, negros, católicos e imigrantes e orientais recém-chegados no Sul, como italianos, russos e lituanos, muitos dos quais eram de fato judeus ou católicos.

Alguns grupos locais ameaçavam violência contra traficantes de bebidas alcoólicas e aqueles que consideravam "pecadores notórios"; os episódios violentos geralmente ocorriam no Sul. Os Cavaleiros Vermelhos eram um grupo militante organizado em oposição à Klan e responderam violentamente às provocações da Klan em várias ocasiões.

Cruz sendo queimada, atividade introduzida por William J. Simmonk, o fundador da segunda Klan em 1915.

A segunda Klan era uma organização fraternal formal, com uma estrutura nacional e estadual. Durante o ressurgimento da segunda Klan na década de 1920, sua publicidade era gerenciada pela Associação de Publicidade do Sul. Nos primeiros seis meses da campanha nacional de recrutamento da Associação, a adesão à Klan aumentou em 85.000 membros. Em seu auge, meados da década de 1920, a adesão à organização variava de três a oito milhões de membros.

Em 1923, Simmons foi expulso como líder da KKK por Hiram Wesley Evans. A partir de setembro de 1923, havia duas organizações da Ku Klux Klan: aquela fundada por Simmons e liderada por Evans, com sua força principalmente nos Estados Unidos do sul, e um grupo dissidente liderado pelo Grande Dragão D. C. Stephenson, sediado em Evansville, Indiana, com sua adesão principalmente no meio-oeste dos Estados Unidos.

Divisões internas, comportamento criminoso de líderes - especialmente a condenação de Stephenson pelo sequestro, estupro e assassinato de Madge Oberholtzer - e oposição externa causaram um colapso na adesão de ambos os grupos. A adesão ao grupo principal havia caído para cerca de 30.000 em 1930. Finalmente, desapareceu na década de 1940. Organizadores da Klan também atuaram no Canadá, especialmente em Saskatchewan entre 1926 e 1928, onde os membros da Klan denunciavam imigrantes do Leste Europeu como uma ameaça ao patrimônio "anglo-saxão" do Canadá.

A terceira Klan

Cadáver de Jesse Washington dependurado numa árvore após ser queimado. Durante sua existência, a KKK promoveu centenas de linchamentos contra afro-americanos acusados de crimes, desrespeito a leis de segregação racial ou apenas por exercerem seu direito de votar.

O nome "Ku Klux Klan" foi usado por numerosos grupos locais independentes que se opuseram ao movimento pelos direitos civis e à dessegregação, especialmente nas décadas de 1950 e 1960. Durante esse período, eles frequentemente estabeleciam alianças com departamentos de polícia do Sul, como em Birmingham, Alabama, ou com os gabinetes dos governadores, como com George Wallace, do Alabama. Vários membros de grupos da Klan foram condenados por assassinato nas mortes de ativistas pelos direitos civis no Mississippi em 1964 e de crianças no Atentado à bomba na Igreja Batista da Rua 16, em Birmingham, em 1963.

O governo dos Estados Unidos ainda considera a Klan uma "organização terrorista subversiva". Em abril de 1997, agentes do FBI prenderam quatro membros dos Verdadeiros Cavaleiros da Ku Klux Klan em Dallas por conspiração para cometer roubo e por conspirar para explodir uma planta de processamento de gás natural. Em 1999, o conselho municipal de Charleston, Carolina do Sul, aprovou uma resolução declarando a Klan uma organização terrorista.

A existência de grupos modernos da Klan tem estado em constante declínio, devido a uma variedade de fatores: desde o desgosto negativo do público americano pela imagem, plataforma e história do grupo, até a infiltração e persecução pela aplicação da lei, perdas em processos civis e a percepção da extrema direita de que a Klan está desatualizada e fora de moda. O Centro Legal de Pobreza do Sul relatou que entre 2016 e 2019, o número de grupos da Klan no território dos Estados Unidos caiu de 130 para apenas 51. Um relatório de 2016 da Liga Antidifamação estima que existam pouco mais de 30 grupos ativos da Klan nos Estados Unidos. As estimativas de adesão coletiva total variam de cerca de 3.000 a 8.000 membros. Além de seus membros ativos, a Klan tem um "número desconhecido de associados e apoiadores".

Fora dos Estados Unidos

Além da Ku Klux Klan no Canadá, houve várias tentativas de organizar capítulos da KKK fora dos Estados Unidos.

Na Austrália no final dos anos 1990, o ex-membro do One Nation Peter Coleman estabeleceu filiais em todo o país, e por volta de 2012 o KKK tentou se infiltrar em outros partidos políticos, como o Australia First.

A atividade de recrutamento também foi relatada no Reino Unido.

Na Alemanha, um grupo relacionado ao KKK, Ritter des Feurigen Kreuzes ("Cavaleiros da Cruz de Fogo "), foi estabelecido na década de 1920. Depois que os nazistas conquistaram a Alemanha, o grupo se desfez e seus membros se juntaram aos nazistas. Outro grupo alemão relacionado ao KKK, os Cavaleiros Brancos Europeus da Ku Klux Klan, se organizou e ganhou notoriedade em 2012 quando a mídia alemã informou que dois policiais que eram membros da organização teriam permissão para manter seus empregos.

Um grupo Ku Klux Klan foi até estabelecido em Fiji no início de 1870 por colonos americanos brancos, embora suas operações tenham sido rapidamente encerradas pelos britânicos que, embora ainda não oficialmente estabelecidos como a principal autoridade de Fiji, tiveram um papel de liderança no estabelecimento de uma nova monarquia constitucional que estava sendo ameaçada pelas atividades da Klan de Fiji.

Ver também

Referências

  1. McVeigh, Rory. "Structural Incentives for Conservative Mobilization: Power Devaluation and the Rise of the Ku Klux Klan, 1915–1925". Social Forces, Vol. 77, No. 4 (junho de 1999), p. 1463.
  2. «Ku Klux Klan». Southern Poverty Law Center. Consultado em 7 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 23 de julho de 2013 
  3. Blow, Charles M. (7 de janeiro de 2016). "Gun Control and White Terror". The New York Times. Acessado em 3 de março de 2022.
  4. Al-Khattar, Aref M. (2003). Religion and terrorism: an interfaith perspective. Westport, Connecticut: Praeger. pp. 21, 30, 55 
  5. Michael, Robert, and Philip Rosen. Dictionary of antisemitism from the earliest times to the present. Lanham, Maryland: Scarecrow Press, 1997, p. 267.
  6. Barkun, pp. 60–85.
  7. Laats, Adam (2012). «Red Schoolhouse, Burning Cross: The Ku Klux Klan of the 1920s and Educational Reform». History of Education Quarterly. 52 (3): 323–350. ISSN 0018-2680. JSTOR 23251451. doi:10.1111/j.1748-5959.2012.00402.x. Consultado em 25 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2022 
  8. «Kingdom». Time (em inglês). 17 de janeiro de 1927. ISSN 0040-781X. Consultado em 15 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2022 
  9. «Ku Klux Klan Ledgers | History Colorado». www.historycolorado.org. Consultado em 25 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2022 
  10. «Principles and Purposes of the Knights of the Ku Klux Klan» (em inglês). 1920. Consultado em 25 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2022 
  11. Kristin Dimick. «The Ku Klux Klan and the Anti-Catholic School Bills of Washington and Oregon». Cópia arquivada em 14 de maio de 2022 
  12. Philip N. Racine (1973). «The Ku Klux Klan, Anti-Catholicism, and Atlanta's Board of Education, 1916–1927». Georgia Historical Society. The Georgia Historical Quarterly. 57 (1): 63–75. JSTOR 40579872. Cópia arquivada em 28 de julho de 2022 
  13. Christine K. Erickson. The Boys in Butte: The Ku Klux Klan confronts the Catholics, 1923–1929 (MA thesis). University of Montana. Cópia arquivada em 28 de julho de 2022 
  14. «Ku Klux Klan Fliers Promoting Islamophobia Found In Washington State Neighborhood». 2 de março de 2015 
  15. «Alabama KKK actively recruiting to 'fight the spread of Islam'». 10 de dezembro de 2015 
  16. «In the Army and the Klan, he hated Muslims». The Washington Post. Consultado em 5 de junho de 2018. Cópia arquivada em 13 de julho de 2022 
  17. Petersen, William. Against the Stream: Reflections of an Unconventional Demographer. : Transaction Publishers. p. 89. Consultado em 8 de maio de 2016 
  18. Pratt Guterl, Matthew (2009). The Color of Race in America, 1900-1940. : Harvard University Press. p. 42 
  19. Pitsula, James M. (2013). Keeping Canada British: The Ku Klux Klan in 1920s Saskatchewan. : UBC Press 
  20. a b Brooks, Michael E. (2014). The Ku Klux Klan in Wood County, Ohio. : The History Press 
  21. O'Donnell, Patrick (Editor), 2006. Ku Klux Klan America's First Terrorists Exposed, p. 210. ISBN 1-4196-4978-7.
  22. Rory McVeigh, The Rise of the Ku Klux Klan: Right-Wing Movements and National Politics (2009).
  23. Matthew N. Lyons, Right-Wing Populism in America (2000), ch. 3, 5, 13.
  24. Chalmers, David Mark, 2003. Backfire: How the Ku Klux Klan Helped the Civil Rights Movement, p. 163. ISBN 978-0-7425-2311-1.
  25. Charles Quarles, 1999. The Ku Klux Klan and Related American Racialist and Antisemitic Organizations: A History and Analysis, p. 100. McFarland.
  26. Ver, e.g., Klanwatch Project (2011), ilustrações, pg. 9–10.
  27. Elaine Frantz Parsons, "Midnight Rangers: Costume and Performance in the Reconstruction-Era Ku Klux Klan". Journal of American History 92.3 (2005): 811–36.
  28. Wyn Craig Wade, The Fiery Cross: The Ku Klux Klan in America (Oxford University Press, 1998)
  29. Both the Anti-Defamation League and the Southern Poverty Law Center include it in their lists of hate groups. See also Brian Levin, "Cyberhate: A Legal and Historical Analysis of Extremists' Use of Computer Networks in America", in Perry, Barbara (ed.), Hate and Bias Crime: A Reader, Routledge, 2003, p. 112.
  30. Michael Newton, The Invisible Empire: The Ku Klux Klan in Florida.
  31. Perlmutter, Philip (1 de janeiro de 1999). Legacy of Hate: A Short History of Ethnic, Religious, and Racial Prejudice in America. : M.E. Sharpe. p. 170. ISBN 978-0-7656-0406-4. Kenneth T. Jackson, in his The Ku Klux Klan in the City 1915-1930, reminds us that "virtually every" Protestant denomination denounced the KKK, but that most KKK members were not "innately depraved or anxious to subvert American institutions," but rather saw their membership in keeping with "one-hundred percent Americanism" and Christianity morality. 
  32. The present-day Ku Klux Klan movement: Report by the Committee on Un-American activities. Washington, DC: U. S. Government Printing Office. 1967 
  33. a b «Ku Klux Klan – Extremism in America». Anti-Defamation League. Consultado em 20 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2011 
  34. «Ku Klux Klan not founded by the Democratic Party». AP News. 23 de outubro de 2018. Consultado em 19 de julho de 2020. Cópia arquivada em 7 de julho de 2020 
  35. Dixon, Thomas Jr. (27 de agosto de 1905). «The Ku Klux Klan: Some of Its Leaders». The Tennessean. p. 22. Consultado em 28 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2016 – via Newspapers.com 
  36. Michael K. Jerryson (2020), Religious Violence Today: Faith and Conflict in the Modern World Arquivado em 2023-04-07 no Wayback Machine, p. 217
  37. Kinney, Alison (8 de janeiro de 2016). «How the Klan Got Its Hood». The New Republic. Consultado em 29 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2023 
  38. Stevens 1907.
  39. Wills, Brian Steel (1992). A Battle from the Start: The Life of Nathan Bedford Forrest. New York: HarperCollins Publishers. p. 336. ISBN 978-0060924454 
  40. Trelease 1995, p. 18.
  41. «John W. Morton Passes Away in Shelby». The Tennessean. 21 de novembro de 1914. pp. 1–2. Consultado em 25 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2016 – via Newspapers.com 
  42. J. Michael Martinez (2007). Carpetbaggers, Cavalry, and the Ku Klux Klan: Exposing the Invisible Empire During Reconstruction. : Rowman & Littlefield. p. 24. ISBN 978-0742572614 
  43. Wormser, Richard. «The Enforcement Acts (1870–71)». Jim Crow Stories. PBS. Consultado em 12 de maio de 2012. Cópia arquivada em 4 de março de 2012 
  44. Foner 1988, p. 458.
  45. Rable 1984, pp. 101, 110–111.
  46. Rable 1984.
  47. «A 1905 Silent Movie Revolutionizes American Film – and Radicalizes American Nationalists». Southern Hollows podcast. Consultado em 3 de junho de 2018. Cópia arquivada em 27 de maio de 2018 
  48. Moore, Leonard J. (1990). «Historical Interpretations of the 1920s Klan: The Traditional View and the Populist Revision». Journal of Social History. 24 (2): 341–357. JSTOR 3787502. doi:10.1353/jsh/24.2.341 
  49. Cash 1941, p. 337.
  50. Pegram 2011, pp. 47–88.
  51. Baker 2011, p. 248.
  52. MacLean, Nancy (1995). Behind the Mask of Chivalry: The Making of the Second Ku Klux Klan. : Oxford University Press. ISBN 978-0195098365 
  53. «The Ku Klux Klan in the 1920s». PBS.org. American Experience (em inglês). PBS. Consultado em 5 de abril de 2022. Cópia arquivada em 5 de julho de 2022 
  54. Lutholtz, M. William (1993). Grand Dragon: D. C. Stephenson and the Ku Klux Klan in Indiana. West Lafayette, Indiana: Purdue University Press. pp. 43, 89. ISBN 1557530467. Consultado em 25 de março de 2015. Cópia arquivada em 28 de junho de 2022 
  55. Lay, Shaun. «Ku Klux Klan in the Twentieth Century». New Georgia Encyclopedia. Coker College. Consultado em 26 de agosto de 2005. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2005 
  56. Sher 1983, pp. 52–53.
  57. Pitsula 2013.
  58. Baker, Kelly J. Gospel According to the Klan: The KKK's Appeal to Protestant America, 1915–1930 (University Press of Kansas, 2011) ISBN 978-0700617920.
  59. McWhorter 2001.
  60. «About the Ku Klux Klan». Anti-Defamation League. Consultado em 2 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2009 
  61. «Inquiry Begun on Klan Ties Of 2 Icons at Virginia Tech». The New York Times. 16 de novembro de 1997. p. 138. Consultado em 2 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2010 
  62. Lee, Jennifer (6 de novembro de 2006). «Samuel Bowers, 82, Klan Leader Convicted in Fatal Bombing, Dies». The New York Times. Consultado em 2 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 12 de maio de 2011 
  63. Brush, Pete (28 de maio de 2002). «Court Will Review Cross Burning Ban». CBS News. Consultado em 2 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2010 
  64. Dallas.FBI.gov "Domestic terrorism by the Klan remained a key concern". Arquivado em 2010-03-05 no Wayback Machine, FBI, Dallas office
  65. «Klan named terrorist organization in Charleston». Reuters. 14 de outubro de 1999. Consultado em 2 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 5 de junho de 2015 
  66. Allerfeldt, Kristofer (Março de 2019). «The KKK is in rapid decline – but its symbols remain worryingly potent». The Conversation. Consultado em 16 de maio de 2022. Cópia arquivada em 16 de maio de 2022 
  67. a b c 'l "Tattered Robes: The State of the Ku Klux Klan in the United States". Arquivado em 2017-11-18 no Wayback Machine, Anti-Defamation League (2016).
  68. "Extremist Files: Ku Klux Klan". Arquivado em 2018-04-06 no Wayback Machine, Southern Poverty Law Center (acessado em 21 de outubro de 2017).
  69. «BBC News | Asia-Pacific | Ku Klux Klan sets up Australian branch». news.bbc.co.uk. Consultado em 4 de dezembro de 2020 
  70. «Dark mystique of the KKK». NZ Herald (em inglês). Consultado em 4 de dezembro de 2020 
  71. Jensen, Erik (9 de julho de 2009). «We have infiltrated party: KKK». The Sydney Morning Herald (em inglês). Consultado em 4 de dezembro de 2020 
  72. Ron Ramdin, The Making of the Black Working Class in Britain , 2017, p. 216
  73. "Orden der Ritter vom feurigen Kreuz" . politische-bildung-brandenburg.de
  74. SPIEGEL, Florian Gathmann, DER. «German Police Kept Jobs Despite Ku Klux Klan Involvement - DER SPIEGEL - International». www.spiegel.de (em inglês). Consultado em 4 de dezembro de 2020 
  75. «Ku Klux Klan: German Police Officers Allowed to Stay on Job Despite Links with European Branch of White Supremacists». International Business Times UK (em inglês). 2 de agosto de 2012. Consultado em 4 de dezembro de 2020 
  76. Kim Gravelle, Fiji's Times: A History of Fiji , Suva: The Fiji Times, 1988, pp. 120–24

Bibliografia

Ligações externas