A história das descobertas arqueológicas

Experimentação

A arqueologia é uma ciência que se dedica ao estudo dos vestígios deixados pelos humanos no passado. A partir dessas descobertas podemos recriar a história da humanidade, entender as mudanças culturais, técnicas, sociais e políticas pelas quais passou a humanidade. As descobertas arqueológicas são um portal que nos permite viajar no tempo para conhecer o mundo como era antes.

Pré-História

As primeiras descobertas arqueológicas remontam à pré-história. Fósseis de hominídeos encontrados em diferentes locais do continente africano, mostraram que o homem evoluiu a partir de um ancestral comum. Outras descobertas arqueológicas dessa época são ferramentas de pedra e ossos, utensílios domésticos e adornos pessoais.

Os primeiros seres humanos a se deslocarem para outras regiões foram os Homo erectus, cerca de 1,9 milhões de anos atrás, disseminando a tecnologia humana em diferentes partes do mundo. As primeiras ferramentas de pedra lascada datam de 1,2 milhões de anos atrás e foram encontradas na África Oriental.

No continente europeu, os neandertais foram os primeiros hominídeos conhecidos, e foram extintos há cerca de 30.000 anos. Eles viveram em cavernas, onde deixaram pinturas rupestres, e eram capazes de fabricar ferramentas e armas muito sofisticadas.

Idade Antiga

Na Idade Antiga, muitos povos deixaram vestígios arqueológicos. Na Mesopotâmia, os sumérios criaram a primeira escrita conhecida, a cuneiforme, e deixaram muitos registros sobre a vida cotidiana. Os babilônios construíram a Torre de Babel, um Zigurate de sete andares. Já os egípcios construíram as pirâmides, templos, palácios e ídolos.

Os gregos construíram magníficos templos, teatros e ginásios. Eles também criaram as Olimpíadas, competições esportivas que eram realizadas em homenagem a seus deuses. Os romanos, por sua vez, construíram os aquedutos, anfiteatros e estradas. Eles também deixaram muitos registros escritos sobre a vida cotidiana na Roma Antiga.

Idade Média

Durante a Idade Média, as descobertas arqueológicas foram escassas pois a maior parte da atenção estava dedicada à religião. Houve muitas construções de igrejas e mosteiros, surgindo também as catedrais góticas, como a de Notre-Dame.

Na península ibérica a presença da cultura muçulmana deixou muitas construções, como as Alhambra na Espanha.

Idade Moderna

Na Idade Moderna, as descobertas arqueológicas foram aumentando. Os viajantes e exploradores europeus que desbravavam outras partes do mundo, como as Américas, África e Ásia, encontraram construções e artefatos das culturas pré-colombianas, astecas, maias e incas, por exemplo. Foram descobertas ruínas de tumbas faraônicas no Egito, e na Pérsia, as expedições francesas encontraram a antiga cidade de Persépolis.

A partir do século XV, começou-se a explorar as ruínas das grandes cidades da Idade Antiga, como os locais arqueológicos de Herculano e Pompéia na Itália.

Idade Contemporânea

Na Idade Contemporânea, as descobertas arqueológicas aumentaram significativamente devido aos avanços tecnológicos. As escavações controladas e a utilização de instrumentos científicos permitem que os arqueólogos obtenham mais informações sobre as antigas civilizações.

Hoje em dia, as descobertas arqueológicas são utilizadas não apenas para fins acadêmicos, mas também para estudos de mercado e fins turísticos. Grandes empresas de entretenimento, como a Disney, já fizeram uso dessas descobertas para criar suas atrações.

Conclusão

A história das descobertas arqueológicas é uma rica fonte de conhecimento sobre a história da humanidade. As grandes civilizações do passado deixaram um legado tangível que pode ser estudado e apreciado ainda hoje. Desde as primeiras ferramentas de pedra da pré-história até os artefatos da Idade Contemporânea, as descobertas arqueológicas são uma porta para o passado e uma janela para o futuro.