Estudo revela a importância da epigenética na formação de memórias

Experimentação
Estudo revela a importância da epigenética na formação de memórias

Introdução

A memória é um processo complexo e fascinante que permite ao ser humano armazenar informações e experiências para recuperá-las posteriormente. No entanto, não se sabe ao certo como as memórias são formadas e mantidas em nosso cérebro. Recentemente, um estudo mostrou que a epigenética, um mecanismo que regula a expressão gênica, desempenha um papel fundamental nesse processo.

O que é epigenética?

A epigenética é o estudo das modificações químicas que ocorrem no DNA e em suas proteínas associadas. Essas modificações não alteram a sequência de DNA, mas têm um impacto significativo na expressão gênica. Basicamente, a epigenética controla quais genes são ativados e desativados em um determinado momento, o que é essencial para o desenvolvimento, diferenciação e manutenção de vários tecidos e órgãos.

Tipos de modificações epigenéticas

Existem vários tipos de modificações epigenéticas, mas as mais estudadas são a metilação do DNA e as modificações das histonas. A metilação é a adição de um grupo metil na cadeia principal do DNA, enquanto as modificações das histonas são alterações nas proteínas que se ligam ao DNA.

  • A metilação do DNA geralmente leva a uma diminuição na expressão gênica.
  • As modificações das histonas podem levar a uma ativação ou desativação de genes, dependendo do tipo de modificação.

A importância da epigenética na formação de memórias

O estudo em questão foi realizado por pesquisadores da Universidade de Columbia e publicado na revista Nature Neuroscience. Eles descobriram que a epigenética tem um papel crucial na formação de memórias duradouras.

Experimento

Os pesquisadores testaram essa hipótese em camundongos, usando um teste de medo condicionado. Nesse teste, os camundongos foram expostos a um som aversivo e receberam um choque elétrico. Depois de algumas repetições, eles começaram a associar o som ao choque e a ficar com medo do som mesmo quando não havia mais choque.

Os pesquisadores descobriram que a metilação do DNA e as modificações das histonas ocorrem nas células cerebrais dos camundongos que são responsáveis pela formação de memórias de longo prazo. Além disso, eles descobriram que quando impediram essas modificações com drogas específicas, os camundongos não conseguiram formar memórias duradouras.

Explicação

A explicação para isso é que a metilação do DNA e as modificações das histonas afetam a expressão dos genes que são essenciais para a formação de memórias. Quando as células cerebrais recebem um estímulo, como o som aversivo, os genes necessários para a formação de memórias são ativados. As modificações epigenéticas ajudam a manter esses genes ativados por um período prolongado, permitindo a formação de memórias duradouras.

Conclusão

Em resumo, o estudo mostrou que a epigenética desempenha um papel fundamental na formação de memórias duradouras. Esses resultados fornecem insights valiosos para o desenvolvimento de novos tratamentos para distúrbios da memória, como amnésia e doença de Alzheimer.